Inema promove Workshop de Capacitação para servidores das Unidades Regionais

O Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), em parceria com a empresa Conservação Internacional Brasil, no âmbito do Projeto Parceria para o Bom Desenvolvimento, promove um Workshop de Capacitação para Análise dos Cadastros Ambientais Rurais (CAR) com o objetivo de qualificar técnica, administrativa e legislativamente os servidores do Instituto, lotados prioritariamente nas Unidades Regionais (URs) localizadas no bioma cerrado da Bahia das URs Oeste, Rio Corrente e Sudoeste. O curso, dividido em duas turmas, aconteceu no prédio da DIGINET no bairro da Pituba, em Salvador.

A capacitação da primeira turma, que aconteceu entre os dias 19 e 21/11, reuniu técnicos da UR Oeste com o objetivo de aprimorar o conhecimento dos servidores a cerca da cartografia digital e do geoprocessamento, e treiná-los para a análise de Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais (CEFIR), bem como para as aprovações de Reserva Legal dos imóveis rurais, situados na área de abrangência da região do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

Para um dos responsáveis pelo CEFIR, e também instrutor do curso, Aldo Carvalho, esse é um momento muito importante porque, além de fazer com que os técnicos nivelem o conhecimento a respeito de como é feita uma análise prévia, está ajudando também a aprimorar a questão de natureza tecnológica e técnica. “Temos colegas com mais e outros com menos experiências de diversos setores, e a gente espera sair daqui com algo conceitualmente bem nivelado para que nós possamos, inclusive, aperfeiçoar esse treinamento para as próximas turmas, até porque a ideia é para que todas as unidades regionais passem a fazer a análise do imóvel rural no mesmo padrão, no mesmo nível e, na medida do possível, de forma uniforme”, explica o assessor técnico da Diretoria Geral do Inema.

Além desta turma, as aulas deverão se repetir para os técnicos das Unidades Regionais do Rio Corrente e do Sudoeste nos dias 26, 27 e 28/11, com a mesma finalidade de nivelar o conhecimento para o manuseio de ferramentas de geoprocessamento e ampliar a compreensão espacial e jurídica sobre como se enxerga e como se analisa um imóvel rural no ponto de vista técnico, administrativo e legislativo. A estrutura do curso contou com um computador por técnico, além de material impresso e em meio digital para as aulas teóricas expositivas e demonstração prática. A carga horária total do curso é de 24 horas por turma.

O subcoordenador de Geoprocessamento da Coordenação de Tecnologia da Informação e Comunicação (COTIC), ligada a Diretoria Administrativa Financeira (DIRAF), Adriano Cassiano, que também participou do curso como instrutor, ressalta a importância de integrar as diversas áreas de conhecimento dos servidores, a fim de aprimorar a análise do cadastro que já está sendo realizada pela Coordenação de Agrossilvopastoril (COASP) com o foco maior na aprovação da reserva legal. “É uma oportunidade para aperfeiçoar cada vez mais esse tipo treinamento e ampliar para as diversas áreas do Inema, que inevitavelmente fazem o uso do CEFIR, a fim de amadurecer o método de análise dos servidores para o momento em que forem checar e validar as informações que são declaradas no cadastro”, afirmou Adriano.

O projeto ainda tem uma chancela internacional, estando presente na África, Ásia, América do Sul e no Brasil, especificamente na região do Cerrado Baiano (Matopiba), e visa fazer a análise de aproximadamente 450 imóveis do Agronegócio, a fim de identificar se os mesmos estão adequados e respeitando o Código Florestal Brasileiro e a legislação ambiental baiana.

Segundo o diretor da Gestão de conhecimento da Conservação Internacional, Bruno Coutinho, a CI Brasil atua na região por meio do Projeto Parcerias para o Bom Desenvolvimento, promovendo a sustentabilidade na cadeia produtiva da soja e a conservação da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos. “É neste sentido que o fortalecimento do CEFIR, seus métodos de análise, bem como a capacitação de servidores do Inema, para análise e validação do CAR, é uma peça chave e fundamental do projeto de Corredores de Sustentabilidade na Paisagem. Os Planos de Regularização Ambiental e seu monitoramento são cruciais para manutenção dos remanescentes de vegetação nativa e para restauração de áreas degradadas. Percebemos ainda o CEFIR como um modelo para implementação da Lei da Vegetação Nativa e pretendemos levar os aprendizados para outros estados da região e também da Amazônia. Este curso é muito importante como estratégia de fortalecimento, ampliação e aceleração do processo de implementação do CAR no Matopiba”, afirma Coutinho.

“Vai ser uma experiência muito importante porque os próprios agricultores da região do agronegócio querem ver como o próprio imóvel está se comportando perante o Código Florestal, e querem se adequar caso haja alguma irregularidade. Além disso, será também um momento em que o próprio CEFIR, em outra frente, vai orientar essas pessoas a fazerem um manejo adequado da sua produção”, reforça Aldo Carvalho.

Participaram como instrutores do curso, além de Aldo Carvalho e Adriano Cassiano dos Santos, os técnicos: Joseval Souza de Almeida (COTIC-GEO), Joselice Leone (COASP) e Ana Paula Posseti (COASP).