Servidoras do Inema participam do 35° Congresso Brasileiro de Espeleologia

No mês junho, durante o 35° Congresso Brasileiro de Espeleologia, realizado no Mato Grosso do Sul, as servidoras do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), Arlene Lula e Antonieta Candida apresentaram o trabalho científico intitulado de “Licenciamento Ambiental de Empreendimentos Minerários em Áreas Cársticas no Município de Ourolândia no período de 2007 à 2014”. A edição deste ano abordou o tema “Carste, cavernas e água para os próximos 50 anos”, e contou com palestras, visitas de campo, participação de pesquisadores nacionais e internacionais, personalidades e membros da sociedade brasileira de espeleologia.

O evento, realizado no centro de convenções da cidade de Bonito – MS, contou com a participação de mais de 390 congressistas e com 129 trabalhos inscritos nas diversas áreas de abrangência da espeleologia, agrupados em oito eixos temáticos.

O trabalho apresentado e publicado nos anais do congresso exibiu resultados obtidos nos processos de licenciamento ambiental de empresas de extração e beneficiamento da rocha ornamental Bege Bahia, no Município de Ourolândia/BA. Dentre eles, destaca-se a criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN denominada Toca dos Ossos, um dos complexos cavernícolas de maior relevância da Bahia.

De acordo com Arlene, que atua na Coordenação de Fiscalização Preventiva e Condicionantes (COFIS), da Diretoria de Fiscalização e Monitoramento (DIFIM), participar de eventos como este é essencial para expansão do conhecimento sobre um campo ainda pouco divulgado, além de embasar e fornecer experiências que permitem uma atuação mais segura na tomada de decisão. “A participação no congresso foi de grande proveito para nós, por ter proporcionado um novo aprendizado em uma área pouco conhecida no âmbito do órgão ambiental”, comentou a especialista.

Já Antonieta, da Coordenação de Mineração (COMIN), atrelada a Diretoria de Regulação (DIRRE), acrescentou que o incentivo a pesquisas e estudos neste campo é de suma relevância para a compreensão dos geoambientes e suas funções ecológicas, pois podem, a partir do entendimento como ambiente frágil, proporcionar um crescimento socioeconômico para a sociedade. “As cavernas são ambientes singulares que apresentam, em sua maioria, cenários de grande beleza devido às suas formações geológicas peculiares, além de servir de abrigo para os homens ancestrais que deixaram registros de sua existência através de gravuras e pinturas rupestres e demais objetos arqueológicos”, salientou.

As pesquisadoras do Instituto, especialistas em meio ambiente, são personagens frequentes no congresso e já somam três participações. O mesmo é organizado pela Sociedade Brasileira de Espeleologia – SBE e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade / Centro de Pesquisa e Conservação de Cavernas (ICMBio/CECAV), em parceria com o Grupo de Espeleologia da Serra da Bodoquena (GESB).

Clique aqui para ter acesso ao trabalho aqui.